terça-feira, 16 de outubro de 2007

Levezas de ser

"São precisamente as perguntas para as quais não existem respostas que marcam os limites das possibilidades humanas e traçam as fronteiras da nossa existência".

- Milan Kundera, candidato a prémio Nobel da literatura 2007-

Por momentos pensei que lhe iam dar, a ele, o grande prémio da literatura. Seria o contemplado e o reconhecido e muitas pessoas iriam correr às livrarias à procura da sua obra
Só depois percebi que não faria sentido.
Ele é mais bonito assim, meio escondido nas prateleiras. Misteriosamente (exagerando, talvez) guardado na sua Insustentável Leveza do Ser, na sua Imortalidade e na sua Identidade....


"Mesmo a nossa própria dor não é tão pesada como a dor co-sentida com outro, pelo outro, no lugar do outro, multiplicada pela imaginação, prolongada em centenas de ecos"

5 comentários:

Anónimo disse...

Estúpida

eu disse...

Gostava de dirigir estas palavras ao ser que se esconde por detrás do anonimato, detentor de apenas unerónio que só consegue redigir uma única palavra cujo significado original com certeza desconhece. Quero pois informá-lo (a) que se a intenção é a humilhação, o melhor é ir a um dicionário de latim. Como não deve saber o que isso é eu passo a explicar.
estúpido vem do latim stúpeo, stupere, stúpui que significa estpefacção, ficar maravilhado. Assim sendo, ainda bem que chama estupida à autora deste blog porque ela é de facto uma pessoa maravilhosa.
Obrigado pelo seu comentário e, sempre que quiser aumentar o seu leque verbal é só dizer

eu disse...

Peço desculpa pelas gralhas, mas para quem é deve bastar

eu disse...

Peço desculpa pelas gralhas, mas para quem é deve bastar

Anónimo disse...

Mas quem disse que a intenção não era elogiar?
Eu disse: estúpido