segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

É Natal!!!!



Chegou o Natal. Até aí nada de mal. Acontece todos os anos e ninguém estranha.
Irrita-me um pouco a hipocrisia, mas se for a forma de se fazer o bem, de se ter actos solidários e de ajudar, seja! o Natal é um motivo tão válido como qualquer outro e é fixe, muito fixe, ver os putos a rir, sobretudo aqueles que têm poucos motivos para sorrir. Por isso, venha a hipocrísia disfarçada de espírito natalício
!!!
Gosto das prendas (claro!), mas amo dar gestos, carinhos e pequenas parvoíces repletas de significados. Adoro as luzes e as decorações de Natal. Adoro as familias que se amam. Adoro os amigos que dão mimos. Abomino as enchentes nos centros comerciais, as filas imensas para pagar três euros e o consumismo desenfreado do dar por dar despido de sentimento algum. Mas gosto de ver as árvores cheias de embrulhos e de curiosidades escondidas debaixo de papel colorido. Deliro com surpresas, de as receber e de as fazer. Gosto de reuniões de amigos verdadeiros que matam saudades sob o pretexto do Natal.

É Natal e Lisboa este ano está diferente. Gosto de não se gastar dinheiro público nas iluminações, gosto das luzes amigas do ambiente, não gosto das bolas da TMN. Acho uma exigência parva, ainda que eles também paguem a conta da luz.

Vi a árvore gigante ao cimo do Parque Eduardo VII e não é que os monhés (não os kéfrôs!) andam junto à estrela maior das iluminações lisboetas a vender aquelas coisas que não servem para nada (ou pelo menos é uma incógnita para muitos!) mas que dão montes de luzinhas e piscam ?!? Qual é o nexo disto?

1 comentário:

SaintWolf disse...

Xiii
Também vi lá os monhés, aquilo que vendiam, era para quem se esquecia dos ácidos em casa e assim sempre via umas psicadélicas :)

Just My Opinion