quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

De ouvido à escuta num abrir e fechar de portas:

Local: Rádio Clube Português ;
Voz 1 - duas e qualquer coisa da madrugada solitária de um homem;
Voz 2 - duas e qualquer coisa da madrugada de uma locutora de rádio;
Contexto: aqueles programas de companhia de quem tem insónias ou uma tremenda solidão.




A porta abre e chega ao ouvido

"
....
- Tenho 50 anos e gostava de ter uma namorada.
- Uma namorada?
- Sim, uma namorada. Vocês têm o meu número de telefone, se aparecer alguém podem dá-lo a essa pessoa.
- Mas podia fazer isso pessoalmente...conhecer alguém pessoalmente...
- Sim, também posso... mas pronto, se aparecer alguém, alguém que também queira conviver, podem dar o meu número."


..... A porta fecha e perde-se o fio de conversa.


Até onde vai a solidão, a necessidade de amar e ser amado e o desespero causado pelo vazio?

1 comentário:

SaintWolf disse...

Ena, as saudades que tenho de ouvir tais noites de amena cavaqueira entre locutores que falam para as enúmeras solidões.
Sim, já algures no espaço temporal por mim vivido me inclui nessa classe soberba de ouvintes.
Ajuda a passar o tempo, ajuda a escutar, ajuda a compreender melhor as pessoas. São bons momentos de introspecção